Posts do Blog

Algumas mulheres que precisam ser submetidas a mastectomia para o tratamento de um câncer de mama podem ter suas mamas reconstruídas na mesma cirurgia sem que se comprometa o tratamento da doença.
Comprovadamente, quem dispõe desta opção, evita o desgaste da mutilação. Na rede pública, no entanto, nem sempre havia este recurso disponível.
Em abril deste ano, foi sancionada a lei 12.802 que garante que mulheres que serão submetidas a mastectomia e tenham condições clínicas, sejam reconstruídas no mesmo ato operatório. As que, por motivos médicos, não puderem deverão sair do hospital com a data da reconstrução agendada.
Sem dúvida uma importante vitória na luta contra os estigmas do câncer que mais mata mulheres no Brasil.

Um site mais dinâmico e moderno. Mais informação e mais canais de comunicação.

O novo site foi criado com ajuda de especialistas para modernizá-lo e torná-lo mais interessante. Com mais informações e mais mobilidade procuramos facilitar pesquisas e a interface com interessados em Cirurgia Plástica Estética e Reparadora.
O Blog será atualizado com informações sobre medicina e saúde, principalmente nas especialidades em questão. Dúvidas e comentários poderão ser adicionados e sugestões de tema também. A ideia é trazer para os leigos assuntos interessantes de uma forma mais coloquial.

Assim, a mastectomia subcutânea profilática deve ser encarada como um procedimento médico com uma indicação precisa, ou seja, é importante que a relação custo benefício seja favorável, valendo a pena correr mais riscos com o intuito de colher grandes benefícios, o de prevenir o CA de mama e suas consequências.

photo_22891_20121206

Mesmo antes de sair na mídia que a atriz Angelina Jolie havia sido submetida à uma mastectomia bilateral profilática, algumas pacientes, cansadas de acompanhar nódulos mamários, questionavam se não era possível substituir a sua mama por um implante de silicone. A retirada de todo o tecido mamário e a reconstrução com um implante é um procedimento mais complexo do que a colocação de um implante para aumentar o volume mamário. Os riscos de complicações são maiores e os resultados estéticos mais pobres. Assim, a mastectomia subcutânea profilática deve ser encarada como um procedimento médico com uma indicação precisa, ou seja, é importante que a relação custo benefício seja favorável, valendo a pena correr mais riscos com o intuito de colher grandes benefícios, o de prevenir o CA de mama e suas consequências.
Os fatores de risco mais importantes para o câncer de mama, o câncer que mais mata mulheres, são:

– história familiar de câncer de mama, principalmente em grau de parentescos de primeiro grau, antes dos 50 anos;
– primeira menstruação antes dos 12 anos;
– história pessoal de CA de mama;
– menopausa após 50 anos;
– primeira gravidez após os 30 anos;
– não ter tido gestação alguma;
– terapia de reposição hormonal;
– consumo regular de bebida alcoólica;
– obesidade;
– sedentarismo.

O câncer de mama hereditário é responsável por 5-10% dos casos e a pesquisa do gen defeituoso ainda é pouco acessível.
Desta forma, a decisão por esse procedimento será tomada entre a paciente e seu médico, tendo em vista a melhor direção possível a se tomar em termos de prevenção e estética.